2.5.17

 
Falha estrutural de caráter


Nós a construímos.

Ela ficou de pé.

Sólida e íntegra no seu concreto que resplandecia imponência e fé na humanidade.

Seria um ícone para toda a sociedade se espelhar.

Foi o que de melhor poderíamos ter feito.

Era perfeita. Só faltava falar.

E falou.

De cara, uma reclamação: “xi, lá vêm os baianinhos me polir de novo”.

Achamos normal. Meses levando pequenas marteladas e sendo polida.

Então, disse que a vista não era boa. Que “o lugar não era privilegiado”. Justo o ponto mais alto da vila...

Mudamos 15 vezes. Na 15a, parou de reclamar.

Do local, pois agora se queixava dos que iam admirá-la. Sentia o “cheiro de enxofre que jorrava dos seus suores operários”. Distribuímos perfumes a todos.

Depois, praguejou contra o frio. Estátua tem frio? Duvidamos... Mas a enrolamos em cobertores.

Falou que estava com calor.

Que a comida era péssima.

Que ninguém era do seu nível.

Martelamos cada pedacinho dela até virar pó.

E juramos que jamais faríamos outra que fosse tão fiel a nós assim.

Comments: Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?